INFORMAÇÃO

Obras na Tamoios seguem sem as falhas da Mogi-Dutra

Depois de duplicada, a São José-Caraguá ainda terá o maior túnel do Pais

Bem ao contrário da rodovia Mogi-Dutra, cuja duplicação incompleta foi mantida em sigilo até o DER ser cobrado sobre o assunto pelo repórter Natan Lira, deste jornal, o governo estadual faz questão de mostrar a conclusão de 80% das obras de duplicação da rodovia dos Tamoios, a São José-Caraguatatuba, cuja entrega está prevista para fevereiro de 2022. Como mostra o vídeo postado no canal do YouTube do Governo do Estado, pouco a pouco, a antiga estrada de pista simples, muito usada pelos mogianos para chegar às cidades do Litoral Norte, vai sendo duplicada, de maneira moderna e sustentável. Lá estão sendo construídos quatro túneis, uma ponte e dez viadutos, obras de arte que ganharam destaque na edição de outubro da Tunnels and Tunnelling, revista londrina existente desde 1969, considerada como uma espécie de bíblia do segmento de túneis em todo o mundo. Todo esse arcabouço de cimento armado visa evitar grandes impactos ambientais e a manutenção da vegetação da Mata Atlântica, ainda exuberante na maior parte da Serra do Mar, atravessada pela rodovia. Para que isso seja viável, estão sendo construídos 2,5 km de viadutos e outros 12 km de túneis. Um dos quais, com 5,55 km ininterruptos, já é apontado como o maior túnel rodoviário do Brasil, exigindo modernas técnicas construtivas para manter a segurança, iluminação e, principalmente, a qualidade do ar para os usuários da rodovia. É claro que uma obra desse porte não irá comportar improvisos, como os que foram adotados para a Mogi-Dutra. Exalta o governo estadual que as construções, manutenções e serviços oferecidos pela Concessionária Tamoios foram projetados para representar uma significativa mudança na mobilidade e na vida dos cerca de 25 milhões de usuários por ano, que vivem, trabalham e usufruem do turismo naquela região. Um detalhe: o prazo inicial da obra era de 20 meses, o que significaria sua conclusão a partir de 2015, o que significaria a possibilidade de extensão até 2018. Lá, a geologia do terreno foi a causa do atraso nas obras. Aqui, a duplicação incompleta da Mogi-Dutra ficou na conta de uma desapropriação, que não tem prazo para ser resolvida. E que, talvez, nem seja.

Prorrogação

O ministro Eduardo Pazuello, da Saúde, baixou portaria prorrogando, excepcionalmente, pelo prazo de 30 dias, as habilitações dos 24 leitos de UTI do Hospital Municipal de Mogi das Cruzes, voltados para o tratamento de pacientes portadores de Covid-19. Por conta disso, está liberando a quantia de R$ 1, 152 milhão de um total de R$ 4,032 milhões destinados a sete hospitais. Os outros seis estão localizados no Estado de Goiás.

Ousadia

O candidato do PT a prefeito, Rodrigo Valverde, apresentou, até agora, a mais ousada – e abusada – proposta da atual campanha eleitoral na cidade: ele promete a criação de uma nova moeda, específica do município, para incentivar negócios e criação de empregos. Só não explicou ainda de que maneira a tal ideia seria viabilizada no dia a dia da cidade, de seus habitantes e de sua economia.

Na gaveta

Encontra-se engavetado, desde meados do mês de agosto, em alguma das comissões permanentes da Câmara – hoje desfalcadas dos vereadores afastados pela Justiça e ainda não substituídos por força de lei –, o projeto que prevê a renovação do convênio entre Prefeitura e Estado para garantir o funcionamento do Corpo de Bombeiros na cidade. A medida é decorrente de mudanças na legislação que estabelece o prazo mínimo de 10 e máximo de 30 anos para que tal convênio vigore no município.

Cultura

A empresa Lumus Entretenimento Ltda, com sede no Alto do Ipiranga, em Mogi, foi autorizada pelo Ministério da Cultura a captar junto ao mercado, valendo-se dos benefícios da Lei Rouanet, a quantia de R$ 996.824,40. O recurso será destinado à produção e temporada do espetáculo “A Cadeia Alimentar” (The Food Chain), uma comédia ao estilo de seu autor, Nicky Silver. A sarcástica visão da sociedade contemporânea, do modo de viver e se relacionar nos dias de hoje, dos padrões sociais, síndromes do mundo moderno e da tão presente solidão, fez sucesso no off Broadway. O espetáculo é inédito no País.

Frase

Não importa a cor do gato, desde que ele cace o rato.

Den Xiaoping (1904-1997), líder político da República Popular da China, lembrado a propósito da inútil polêmica acerca da vacina chinesa contra a Covid-19, em curso no Brasil


Deixe seu comentário